07/11/2012

os seios de vênus


dedos deslizam as costas brancas
bailam em tecido delicadamente preto
abro com uma certa habilidade de bom amante
puro deleite ao ver uma alça caindo
descubro um mundo para desbravar
não resisto
dois lindos sóis cegando meus olhos tão brutos
logo me sinto um menino
beijando com ternura
querendo ficar dias com minha boca, bem ali
logo deixo de lado a delicadeza
sinto os bicos duros
viro um amante mais fiel
mordo com maestria
sou um esfomeado que sacia aos poucos
aperto com minhas mãos firmes, como o dono do mundo
fico um puto desvairado
um vadio descarado
respiro o ar da liberdade entre gemidos e sussurros.
ah, seios vênus (digo com tesão)
após distorções
durmo em cima do seu arrepio
é abrigo para meus desejos mais sacanas
e meus sonhos mais tenros
com gosto de chocolate bem mordido.

2 comentários:

Mayara Almeida disse...

Adorei.

georgia disse...

Puxa vida, eu adoro os seus escritos, cara! Faz um tempinho que já te sigo, lembro que foi você quem começou a me seguir haha
Mas enfim, acho lindo seus escritos!