19/10/2010

poematorto.

tenho palavras
na verdade quebra-cabeças
fundo parte-coração
na realidade um quebra-queixo daqueles

tenho
palavras tortas
para olhos cegos
e corpos para arrepios

palavras minhas
cheias de efeitos
trejeitos
defeitos
mas são palavras
só minhas


e para quem for.

10 comentários:

dani disse...

tenho especial apreço pela poesia na poesia, poesia por ela mesma. belo texto :)

Douglas Thaynã disse...

De fato, o metalirismo é fascinante! muito, muito bom!

Juliana Lima disse...

"tenho
palavras tortas
para olhos cegos
e corpos para arrepios"

Hoje eu to sem palavras e sem arrepios... mas amei esse trecho!

beijos

Pedro Cezar disse...

palavras postadas não sabem o caminho de volta

May Ribeiro disse...

Basta saber o poder que essas palavras teêm..

Isadora P. disse...

"e corpos para arrepios" - adorei esse verso.

Muito bonito!

bjos e bom mergulho.

Ps: Tenho sempre dúvida quanto a autoria das palavras que surgem em verso. Sobre a propriedade que temos sobre aquilo que escrevemos.
Já se perguntou de onde as suas (ou mesmo as alheias) palavras vêm? ;)
Fico às vezes, não sempre, com a impressão de que mais parece possessão lírica do que escrita. rs
Não sei se você compartilha desse estranhamento.

Pelos caminhos da vida. disse...

Por curiosidade com o link do seu blog vim te visitá-lo, uso sempre essa expressão(gambiarra).

Gostei daqui Roberto.

Meu nome é Ana, muito prazer.

Deixo aqui um convite para vc conhecer o meu blog, será um prazer te ver Pelos Caminhos da Vida.

Bom fim de semana.

beijooo.

Clayton C. disse...

gostei da música

Katrina disse...

Poesia quebra queixo. No chão

Lady Madonna disse...

Definição do verso livre em verso livre. Muito bom. ^^