25/01/2011

poema-explícito ( ou suspiros sem fim)

em seus seios
mergulho fundo no seu mar
mordo sua boca
deixando luz em meio a sua escuridão
exploro sua região abissal
atingindo seu ponto mortal
faço poemas em suas costas
como forma de arranhões
puxo seus cabelos castos
deixando loucamente desgrenhados
sorrio sacana no canto da boca
retribuindo sua prazeirosa risada
olhamos dentro de nossas pupilas
encontramos um ao outro
nosso sono abraçado
é doce punição.

10 comentários:

Arianne Carla disse...

Como sempre sua escrita me surpreende. Muito bom, adorei o término: "é doce punição."

Alice disse...

Ei, tem selo pra você lá no blog!
Um Beijo

Gabi. Amarello disse...

erótico. Amei.

t. disse...

não canso de me surpreender sempre que venho aqui, gatinho. ahaha

você reinventou a funcionalidade poética, coisa que essa galera do rock nacional não faz porque tem pau pequeno.

você toca blues, brother.

algumacoisaausente disse...

gosto tanto do que escreve.

Mayara Almeida disse...

Vindo de vc não poderia ser difertente....rasgado!

Até.

Rafaella B. disse...

Querido Borati, gosto dessa sua maneira de escrever sem rodeios, dizer aquilo que o coração e o corpo sentem. E gostaria de frisar uma parte do texto que teve uma escolha feérica das palavras.

faço poemas em suas costas
como forma de arranhões


Simplesmente fantástico.

César Dias. disse...

Texto fantástico Roberto, como o nome já dizer,é explícito. Parabéns

Até.

César Dias. disse...

Por nada Roberto, você merece.
Parabéns novamente

Érica Araújo disse...

Olá! Venho te seguindo faz tempo... E esse poema em especial me tocou. A parte "faço poemas em suas costas
como forma de arranhões" é simplesmente ímpar e tem a marca do seu jeito de escrever. Objetividade e sinceridade na sua poesia. Gosto disso. Parabéns! Se quiser depois dar uma olhada nas minhas, ficaria honrada.