14/05/2011

um sábado qualquer, outono sequer.

escarro berros
estridentes de desespero
clamando
para estourar meu coração
com tiros à queima roupa
apenas me apague
de seu corpo

já se foi
seu coração
jogado
do oitavo andar
durante a madrugada
fria

é qualquer sábado
outono sequer
cheirando a vinho vagabundo.

6 comentários:

Volpe. disse...

Hey Borati,
uns versos teus parecem arrancados de minhas entranhas, eu gosto assim... de me identificar com o que leio!

=)

Fabi Anselmo disse...

Interno!
Doo inteira!

Ju Blasina disse...

Vinho vagabundo? 'Oremus'!

Nanda disse...

Te encontrei no tt e vim conhecer teu blog, e este texto, foi magicamente feito pra mim. Petulância minha?

'Apenas me apague do seu corpo'

E esqueça dos caminhos que aí percorri.

Beijo, linda escrita!

Lady Madonna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lady Madonna disse...

Seu jeito de escrever me seduz. De verdade. Me lembra um antigo amante... hehe