16/08/2011

cena nua.


vejo rosto na aurora
silenciosa e sem foco
cantando fadiga de garganta cortada

nublado ser
perambulando no centro da cidade
triste em expressionismo

flertando nos devaneios
desejando pernas no baile
é neo-realismo em chamas

e um silêncio abraçado pelo desespero
de um coração nu.


3 comentários:

Mayara Almeida disse...

Lindo demais que ficou isso.

Daíse disse...

Adorei conhecer teu blog e o título é instigante!
Bjo!

Rafaella B. disse...

prezado borati,
gosto de ler-te pois suas palavras simples (e nunca, nunca simplórias) parecem destoar desta realidade cinza na qual me encontro submersa.

abraços
rafaella b.