19/08/2011

a última peça.

tiro seu escapulário
a última peça de seu todo
não perdendo seus olhos nos meus
sentindo seus seios nas minhas mãos
ouviria seu palpitar me chamando
te deitaria amaciando seu desejo
nossos beijos em contagem progressiva
sem tempo, sem cortes
risos e sorrisos
sou eu, presente em seu corpo
e dentro de seus pensamentos
ofegando desejos por você.

6 comentários:

Fernanda disse...

caramba...

Rafaella B. disse...

Sem culpa, percorrer todo o caminho pela alma desejada.

Muito bom borati.

Excelente!

Munique Alvim Duarte disse...

Olá!
Fiquei aqui um bom tempo lendo suas criações impecáveis. Realmente tudo surpreendente.
Quando der me visite em http://textosimperdoaveis.blogspot.com

Abraços!

O Impenetrável disse...

uma maravilha de poema!

parabéns! tudo aqui é bastante inspirador.

fe. disse...

bem legal teu blog. gostei dessa poesia em particular, também.

caró . disse...

"A sua coisa é toda tão certa/ beleza esperta".
A sua poesia é certa. Tem um grito eufórico-particular-impressionante.
Seja lá o quanto você gosta de escrever. Sei que ler os seus textos, me faz sentir vergonha da mísera escrevedora que sou.
A linha tênue entre você-escritor/eu-escrevedora.

Enfim, parabéns.

Ah, o escapulário, deus mais poesia à poesia!
:)