26/08/2011

poema de um final mal resolvido.

minha alma tritura amor
no quarto de tempo
das badaladas canhotas
afoito, te abraço na solidão fria
há uma pedra em meu peito
derretendo no copo de uísque
e nossos tragos são delírios
dispensando nosso caso
mal resolvido pelas fumaças
desesperadas do acaso.



8 comentários:

Flah Queiroz disse...

Adorei como a escrita flui.

^^

Taciana dos Anjos disse...

seu gelo derretendo no uisque, as fumaças que confundiram o caso.

conheço bem esse final mal resolvido, descreveu muito bem!
boas palavras!

beeijos
Taaci

O Impenetrável disse...

lindo poema!
e eu com a mania de associar coisas tão legais assim com a minha própria vida.

grande abraço e uma semana produtiva!

Alicia disse...

Inspirador...deu-me vontade de poemar tb.

Mayara Almeida disse...

Pra mim, todo poema tem que ser assim, como esse.

Érica Araújo disse...

Eu de cá com minha nostalgia, você daí com seu romantismo.
Bj.

Julia Peres disse...

aaah roberto, havia me esquecido o bem que tuas frases me fazem...

amo esse teu amor...

até por que...
... "minha alma tritura amor"!

Hazel disse...

Meu presente.